Brasil
Acesso à Informação

Medicalização do sofrimento na cultura terapêutica: vulnerabilidade e normalidade inalcançável

Medicalization of suffering in therapeutic culture: vulnerability and unachievable normality

Summary

This article bases on the recent increase in the number of people receiving a psychiatric diagnosis and tries to understand how the emergence of a therapeutic culture, in the transition from modernity to contemporaneity, contributed to this increase. Our hypothesis is that the changes in culture tend to make more people think of themselves as ill, since these changes determine modifications in the understanding of subjectivity, in the relations between normal and pathological and in the psychiatric concepts. Following a Foucault’s intuition, we analyse the effects of these changes on knowledge production about the individuals and the influence of the produced speeches on the subjects.

Sumário

Este artigo parte do aumento recente do número de pessoas que recebem um diagnóstico psiquiátrico e tenta entender como a emergência de uma cultura terapêutica, na passagem da modernidade à contemporaneidade, contribuiu para esse crescimento. A hipótese a ser defendida é a de que as mudanças na cultura, ao determinarem transformações no entendimento da subjetividade, nas relações entre normal e patológico e nos próprios conceitos psiquiátricos, favorecem que mais pessoas se vejam como doentes. Seguindo uma intuição foucaultiana, analisamos aqui os efeitos que essas mudanças provocam na produção de saber a respeito dos indivíduos e os efeitos dos discursos produzidos sobre os sujeitos.

Resumen

Este artículo parte del reciente aumento del número de personas que reciben un diagnóstico psiquiátrico y intenta entender como la emergencia de una cultura terapéutica, en el pasaje de la modernidad a la contemporaneidad, ha contribuido para este aumento. Nuestra hipótesis es que los cambios en la cultura, por determinar transformaciones en la comprensión de la subjetividad, en las relaciones entre normal y patológico y en los propios conceptos psiquiátricos, favorecen que más personas se vean como enfermas. Siguiendo la intuición de Foucault, nosotros analizamos los efectos de eses cambios sobre la producción de saber acerca de los individuos y los efectos de los discursos producidos sobre los sujetos.

Artigos relacionados