Brasil
Acesso à Informação

Zika Fast Track

A revista Memórias do IOC inovou ao criar um fast track para manuscritos sobre Zika vírus. Saiba como o periódico vem colhendo os benefícios desta abordagem e sua contribuição para emergências em saúde pública

04/07/2016
Por Hooman Momen e Adeilton Brandão* | Foto: Fiocruz Imagens (Raquel Portugal e Rodrigo Mexas)

Pupas do mosquito Aedes aegypti no Lab. de Mosquitos Transmissores de Hematozoários


O surto da epidemia ocasionada pelo Zika vírus (ZIKV) no Brasil em 2015 pegou as autoridades de saúde, nacionais e internacionais, de surpresa. A rápida disseminação da infecção e o aumento associado de casos de microcefalia em recém-nascidos atraiu a atenção mundial e o interesse de muitos pesquisadores brasileiros. A atenção e o interesse aumentaram muito mais com a declaração da diretora-geral da Organização Mundial de Saúde, em 1° de fevereiro de 2016 (1), de uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (Public Health Emergency of International Concern, PHEIC).

Uma intensa produção de publicações científicas sobre ZIKV resultou em cerca de 1.000 artigos sobre o vírus sendo indexados no PubMed, dos quais 80% nos últimos 12 meses. Apesar de muitos dos artigos terem autores ou coautores brasileiros, muito poucos têm sido publicados em periódicos brasileiros. Com o objetivo de capturar alguns destes resultados de pesquisa, os editores da revista Memórias do Instituto Oswaldo Cruz criaram um fluxo de trabalho especial, denominado Zika Fast Track, para manuscritos submetidos neste tema.

Memórias já tinha experiência neste tópico quando publicou o primeiro relato de isolamento do ZIKV no Brasil (2). Com a declaração PHEIC, o interesse neste trabalho explodiu e agora se tornou o artigo publicado pelo periódico mais acessado no ano passado. A pontuação Altmetrics (atualmente acima de 140) é a mais alta jamais alcançada por um artigo de Memórias e está no top 1% de todos os artigos publicados na mesma época cobertos por Altmetrics.
 


Uma intensa produção de publicações científicas sobre ZIKV resultou em cerca de 1.000 artigos sobre o vírus sendo indexados no PubMed, dos quais 80% nos últimos 12 meses. Apesar de muitos dos artigos terem autores ou coautores brasileiros, muito poucos têm sido publicados em periódicos brasileiros.



Procedimentos rápidos (fast track) foram lançados por alguns periódicos tradicionais, tais comoThe Lancet, como um meio de acelerar o ciclo de avaliação por pares. Idealmente, o manuscrito entraria no ciclo de publicação após um curto período de análise e decisão tanto por editores, como por pareceristas. Uma questão importante em torno da publicação rápida é o acesso e o destino do conteúdo do manuscrito, quando isso é de urgente importância para a saúde pública. O conteúdo do manuscrito deveria ser completamente disponibilizado aos leitores durante o processo de revisão por pares? Em caso de rejeição, o que deve ser feito com a informação que esteve acessível durante o período de avaliação por pares?

Embora ainda não tenhamos respostas definitivas para estas perguntas, Memórias adotou um procedimento completamente aberto para o fluxo de trabalho de sua publicação Zika fast track: Todos os manuscritos de pesquisa relativos à epidemia de Zika, após submissão à revista, são avaliados por um editor. Àqueles considerados relevantes é atribuído um digital object identifier (DOI) e o artigo é publicado on-line, numa seção especial do site das Memórias chamada “Zika Fast Track“, no prazo de 24 horas. Os dados destes manuscritos podem, assim, ser atribuídos aos autores enquanto são disponibilizados livremente para o escrutínio do leitor e uso, distribuição e reprodução irrestritos, desde que a obra original seja devidamente citada como indicado pela licença Creative Commons Attribution (CC BY).

Ao mesmo tempo, os manuscritos são avaliados por revisão por pares. Os trabalhos aceitos para publicação nas Memórias, após a revisão por pares, seguem o fluxo de trabalho normal do periódico para publicação. Em caso de rejeição após a avaliação por pares, os autores são livres para buscar outra publicação. Um aviso de que o manuscrito não foi aceito é colocado na página web Fast Track Zika e o manuscrito estará disponível através dos autores. O título e o DOI do manuscrito rejeitado estarão disponíveis na página web Zika Fast Track para fins de registro.

Desde o anúncio do Zika Fast Track em março, recebemos cinco manuscritos. Dois deles já foram publicados nas edições regulares da revista (maio 3 e junho 4 de 2016, respectivamente). Ambos os artigos já foram muito acessados. Estamos ansiosos para ver como o interesse por estes artigos se reflete em citações e eventual aumento no Fator de Impacto depois de 2017. A revista Memórias continua comprometida com o fato de que a informação científica deve ser tanto rigorosamente avaliada como livremente acessível a todos.


* Sobre os editores

Foto: Peter Ilicciev



Hooman Momen nasceu no Irã e estudou na Inglaterra. Graduou-se no Departamento de Bioquímica da Universidade de Londres (Reino Unido). Concluiu seu mestrado no Departamento de Parasitologia, na Escola de Medicina Tropical de Liverpool no Reino Unido. É cientista pesquisador no Instituto Oswaldo Cruz/Fiocruz (Rio de Janeiro, Brasil). É chefe do Laboratório de Bioquímica Sistemática, do Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular, Vice-diretor de Pesquisas e editor do periódico Memórias do Instituto Oswaldo Cruz. Coordena o Curso de Pós-graduação em Biologia Molecular e Celular (mestrado e doutorado).

Foto: Gutemberg Brito

Adeilton Brandão é bacharel em farmácia pela Universidade Federal de Ouro Preto (1990), mestre em biologia de parasitas pelo Instituto Oswaldo Cruz/Fiocruz (1994), doutor em ciências biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999), e possui um Executive Education Certificate pela Sauder School of Business, University of British Columbia, VA, EUA (2013). Tem experiência na área de Bioquímica, com foco em biologia molecular de parasitas protozoários. Atualmente, é pesquisador do Laboratório Interdisciplinar de Pesquisas Médicas do Instituto Oswaldo Cruz/Fiocruz e um dos editores das Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, publicação científica internacional sobre micróbios infecciosos humanos e seus vetores.


Notas

1. WHO Director-General summarizes the outcome of the Emergency Committee regarding clusters of microcephaly and Guillain-Barré syndrome. World Health Organization (WHO). Available from: http://www.who.int/mediacentre/news/statements/2016/emergency-committee-zika-microcephaly/en/

2. ZANLUCA, C., et al. First report of autochthonous transmission of Zika virus in Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2015, vol. 110, nº 4, pp. 569-572. DOI: 10.1590/0074-02760150192. Available from: http://ref.scielo.org/9bk22w

3. NORONHA, L., et al. Zika virus damages the human placental barrier and presents marked fetal neurotropism. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2016, vol. 111, nº 5, pp. 287-293. DOI: 10.1590/0074-02760160085.

4. CODEÇO, C., et al. Zika is not a reason for missing the Olympic Games in Rio de Janeiro: response to the open letter of Dr Attaran and colleagues to Dr Margaret Chan, Director -General, WHO, on the Zika threat to the Olympic and Paralympic Games. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2016, vol. 111, nº 6, pp. 414-415. DOI: 10.1590/0074-02760160003.


Referências

CODEÇO, C., et al. Zika is not a reason for missing the Olympic Games in Rio de Janeiro: response to the open letter of Dr Attaran and colleagues to Dr Margaret Chan, Director -General, WHO, on the Zika threat to the Olympic and Paralympic Games. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2016, vol. 111, nº 6, pp. 414-415. DOI: 10.1590/0074-02760160003.

NORONHA, L., et al. Zika virus damages the human placental barrier and presents marked fetal neurotropism. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2016, vol. 111, nº 5, pp. 287-293. DOI: 10.1590/0074-02760160085.

WHO Director-General summarizes the outcome of the Emergency Committee regarding clusters of microcephaly and Guillain-Barré syndrome. World Health Organization (WHO). Available from: http://www.who.int/mediacentre/news/statements/2016/emergency-committee-zika-microcephaly/en/

ZANLUCA, C., et al. First report of autochthonous transmission of Zika virus in Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2015, vol. 110, nº 4, pp. 569-572. DOI: 10.1590/0074-02760150192. Available from: http://ref.scielo.org/9bk22w

Traduzido do original em inglês por Lilian Nassi-Calò.


Como citar este post [ISO 690/2010]:

MOMEN, H. and BRANDÃO, A. Zika Fast Track. SciELO em Perspectiva. [viewed 04 July 2016]. Available from: http://blog.scielo.org/blog/2016/06/16/zika-fast-track/

 
 

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.