Brasil
Acesso à Informação

Tesouro da Caatinga: Revista Fitos traz artigo sobre plantas brasileiras com potencial antimicrobiano

30/01/2018

Pesquisadores estudam espécies com substâncias capazes de inibir o crescimento de microrganismos patogênicos e combater infecções

Por Valentina Leite | Foto: Raul Santana

 

Um relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que meio milhão de pessoas com suspeita de infecção bacteriana são afetadas pela resistência a antibióticos, as chamadas "superbactérias". O documento, publicado no último dia 29, inclui dados de 22 países. Entre as bactérias resistentes mais comuns estão Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae, Staphylococcus aureus e Streptococcus pneumoniae, seguidas de Salmonella spp*. Um dos destaques da edição atual da Revista Fitos (vol. 11, n. 2, 2017) é o trabalho de Maria Otammires de Mesquita, Raulzito Moreira e Tatiana Maria Pinto. O estudo trata do uso de extratos com alto potencial antimicrobiano provenientes de plantas da Caatinga - bioma exclusivo do Brasil - no combate a este problema.

Os autores do artigo apontam o crescente interesse e a importância de a comunidade científica estudar novas espécies com substâncias capazes de inibir o crescimento de microrganismos patogênicos e combater possíveis infecções. No total, foram analisados 51 artigos das bases de dados PubMed e do Portal de Periódicos Capes, que evidenciam a possibilidade de aplicação de extratos ou moléculas de plantas oriundas da Caatinga no desenvolvimento de drogas e tratamentos.

A riqueza do bioma

A cobertura vegetal da Caatinga é representada por formações xerófilas muito diversificadas. Sua biota é rica em espécies endêmicas e apresenta potencial medicinal. Ao todo, 48 famílias botânicas com 167 espécies foram alvo de estudos, sendo a família Fabaceae a mais citada com 45 espécies. Desta, Mimosa foi o gênero de maior ocorrência, com 5 espécies. Entre os microrganismos inibidos, por maior número de extratos, estão Staphylococcus aureusEscherichia coli e Candida albicans.

Os autores concluem que a análise dos artigos demonstra o potencial dos extratos ou de moléculas isoladas de plantas da Caatinga para tratamentos ou desenvolvimento de drogas. Mas recomendam que sejam realizados mais estudos para demonstrar o potencial antimicrobiano de moléculas advindas desse bioma, tendo como foco o isolamento do princípio ativo, já que o estudo evidenciou um número reduzido de trabalhos publicados com essa temática.


* O sistema não inclui dados sobre a resistência da Mycobacterium tuberculosis, que causa tuberculose (TB), uma vez que a OMS o acompanha desde 1994 e fornece atualizações anuais no relatório Global de tuberculose.

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.