Brasil
Acesso à Informação

Tatiana Roque: em tempos difíceis, resistência para garantir conquistas femininas

11/03/2019

Professora da UFRJ avalia o "ser mulher na ciência" e traz críticas sobre a questão de gênero no Brasil

Por Marina Lemle (Blog de HCS-Manguinhos)

 

Neste Dia Internacional da Mulher, 8 de março, o blog da HCS-Manguinhos conversou sobre o contexto atual das mulheres na ciência com a matemática e filósofa Tatiana Roque. Professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro, ela é autora do livro História da Matemática: uma visão crítica, desfazendo mitos e lendas (Zahar, 2012), premiado com um Jabuti em 2013. Nas últimas eleições, foi candidata à deputada federal pelo PSOL do Rio de Janeiro, tendo como pauta principal a defesa da educação. 

Tatiana, que faz pesquisa em filosofia e história da ciência, chama atenção ao fenômeno conhecido como “teto de vidro”, que não se vê, mas está lá. “O ambiente cultural acadêmico é muito viciado e favorece mais os homens”, afirma a mãe do Matias, de 11 anos. Confira a entrevista completa, na íntegra.

Blog da HCS-Manguinhos: Como é ser mulher na ciência? Quais os principais avanços e o que ainda precisa melhorar?

Tatiana Roque: Uma questão específica das universidades e da ciência é o chamado “teto de vidro”: mesmo que as mulheres participem muito da vida acadêmica, tendo muita entrada nos cursos de graduação, elas não sobem na carreira com a mesma frequência que os homens. Os cargos de professor titular são em maioria ocupados por homens.

Blog da HCS-Manguinhos: E por que isso acontece?

Tatiana Roque: Acontece por vários motivos. Um deles é a dupla, a tripla jornada, porque as mulheres acarretam mais outros afazeres, da casa, dos filhos, o que atrasa um pouco a carreira. Em segundo lugar, o ambiente cultural mesmo, que é muito viciado, feito para homens, e privilegia um modo de se relacionar, de abrir espaços, que favorece mais os homens a chegar a cargos acadêmicos de poder, como chefia e coordenação de laboratórios.

Blog da HCS-Manguinhos: O que pode ser feito para se chegar a um maior equilíbrio?

Tatiana Roque: O lado bom é que isso tem sido feito, existe uma conscientização crescente no mundo acadêmico. Existe, por exemplo, um grupo de mulheres trabalhando nisso na Capes e no CNPq, buscando criar políticas para reverter esse tipo de filtro, de seleção negativa, que tem acontecido. É preciso ter políticas públicas para isso.

Blog da HCS-Manguinhos: E você está otimista?

Tatiana Roque: Bom, nesse exato momento mais ou menos (risos). Com esse governo não dá pra ficar muito otimista, mas dentro das universidades e institutos de pesquisa está tendo muita conscientização sobre esse problema. Há muitos coletivos e organizações de mulheres que têm melhorado bastante a cultura naquele ambiente. Mas, por outro lado, do ponto de vista das políticas de governo, das políticas públicas, estamos tendo um retrocesso gigantesco, então não dá pra ficar muito otimista não. É preciso manter essas organizações, os atos e as políticas que têm sido feitas nos últimos tempos para combater os efeitos perversos do machismo no ambiente acadêmico.

Blog da HCS-Manguinhos: Qual a pertinência da questão de gênero no contexto atual do Brasil?

Tatiana Roque: Agora é mais pertinente do que nunca, porque está havendo uma reação às conquistas obtidas ao longo dos anos pelos coletivos e movimentos de mulheres.

Blog da HCS-Manguinhos: Gostaria de mandar um recado às leitoras de HCS-Manguinhos, em grande parte pesquisadoras das ciências humanas, e muitas jovens em início de carreira?

Tatiana Roque: O recado é para a gente resistir firme, não deixar a peteca cair, que os tempos estão difíceis. Ninguém solta a mão de ninguém, devemos manter essas ações coletivas e não deixar que todas as conquistas que tem havido esmoreçam.

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.