Brasil
Acesso à Informação

Roquette-Pinto e a valorização da mestiçagem

Vanderlei Sebastião de Souza mostra o esforço científico do antropólogo na defesa da miscigenação do povo brasileiro

14/09/2016
Por Blog de HCS-Manguinhos (agosto/2016) | Foto: Reprodução

O quadro “Operários”, de Tarsila do Amaral, 1933, mostra a miscigenação do povo brasileiro

 

No Brasil, o debate sobre miscigenação racial foi um dos assuntos que mais mobilizaram a opinião de cientistas e intelectuais nas primeiras décadas do século XX, motivando a produção de uma série de ensaios de caráter científico e literário. No contexto internacional, o tema também vinha suscitando inúmeras polêmicas, resultado tanto das teorias eugênicas e do racismo que grassava na Europa e nos EUA desde o século XIX quanto dos interesses imperialistas nos continentes africano, asiático e americano.

Nesse cenário, em regra, os “cruzamentos raciais” eram duramente condenados por médicos, antropólogos, eugenistas e viajantes estrangeiros, sendo vistos como os grandes responsáveis pela degenerescência das populações não europeias. No caso brasileiro, o debate sobre miscigenação ganhou diferentes significados, desde visões negativas sobre o valor dos mestiços, passando por discussões sobre “mestiçagem” e branqueamento da população, até explicações que valorizavam a formação mestiça brasileira como elemento distintivo da identidade e da cultura nacional.

Em diálogo com essas diferentes interpretações, o médico e antropólogo Edgard Roquette-Pinto (1884-1954) pode ser considerado um dos intelectuais brasileiros que mais atenção dedicaram aos estudos sobre miscigenação racial. Formado pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1905, Roquette-Pinto dedicou boa parte de sua trajetória aos estudos em antropologia física, atuando como antropólogo e etnógrafo do Museu Nacional por três décadas, entre 1905 e 1935. Além de suas atividades no campo da antropologia, seu nome também é identificado pelos trabalhos realizados na área da educação e da comunicação e por sua atuação como membro da Academia Brasileira de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil e da Academia Brasileira de Ciências.

 

Edgar Roquette-Pinto com crianças indígenas. Foto reproduzida do livro Antropologia brasiliana - ciência e educação na obra de Edgar Roquette-Pinto, organizado por Nísia Trindade Lima (2008, p. I)

Edgar Roquette-Pinto com crianças indígenas*

 

No artigo Ciência e miscigenação racial no início do século XX: debates e controvérsias de Edgard Roquette-Pinto com a antropologia física norte-americana, publicado na atual edição de HCS-Manguinhos (vol.23, no.3, jul./set. 2016), Vanderlei Sebastião de Souza, professor de História da Universidade Estadual do Centro-Oeste, PR, analisa a maneira como Roquette-Pinto inseriu-se no debate internacional envolvendo o campo da antropologia física e as discussões sobre miscigenação racial. O historiador procura demonstrar que Roquette-Pinto realizou uma leitura politicamente seletiva de autores como os antropólogos Charles Davenport, Madison Grant e Franz Boas, empregando os argumentos que se adequavam ao projeto de valorização dos “mestiços do Brasil” e refutando os que eram contraditórios. “O debate e as apropriações de ideias feitas por Roquette-Pinto devem ser vistos como ‘estratégias anticoloniais’, concepção empregada por Sérgio Carrara para analisar a reação dos intelectuais brasileiros contra as teorias científicas que estigmatizavam ou inferiorizavam as populações mestiças. Diante da condenação que os europeus faziam da origem mestiça e da suposta imoralidade das populações não brancas, Carrara demonstra que a intelligentsia nacional mobilizou uma série de argumentos que refutavam esses estigmas, criando estratégias que pudessem construir uma ‘identidade nova e positiva para si mesma e para a nação’”, explica o autor.


Leia em HCS-Manguinhos

Ciência e miscigenação racial no início do século XX: debates e controvérsias de Edgard Roquette-Pinto com a antropologia física norte-americana, artigo de Vanderlei Sebastião de Souza (vol.23, no.3, jul./set. 2016)


Leia no Blog de HCS-Manguinhos

O Brasil mestiço e viável de Roquette-Pinto
Anpuh premia tese de Vanderlei Sebastião de Souza sobre o “retrato racial” do brasileiro feito por Edgard Roquette-Pinto entre 1910 e o início da década de 1930, quando trabalhou no Museu Nacional.

Eugenia, educação e políticas públicas no Brasil
O historiador Jerry Davila explica que pensamento eugênico refletia-se nas práticas escolares e nos valores vigentes numa sociedade altamente discriminatória.

Pai da eugenia no Brasil ficou obscuro na história
Defensor da ‘higiene racial’, o médico Renato Kehl assumiu a propaganda eugênica como missão política e intelectual entre 1917 e 1940. Robert Wegner e Vanderlei Sebastião de Souza publicaram artigo em HCS-Manguinhos.

Germanofilia de Rocha Lima marcou sua ‘persona’ científica
Para André Felipe Cândido da Silva, o cientista não ficou famoso por causa da sua ligação com a medicina germânica inclusive durante o nazismo.

Pesquisa genética já tem história no Brasil
Acervo do Museu da Genética da UFRGS inspira historiadores como Vanderlei de Souza.

Mestiço molecular e bioinformático
Das ciências humanas à genômica avançada, pesquisadores discutem o mapeamento da mestiçagem mexicana.


* Reprodução do livro ‘Antropologia brasiliana – ciência e educação na obra de Edgar Roquette-Pinto’, organizado por Nísia Trindade Lima

 

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.