Brasil
Acesso à Informação

Quanto vale curtir ciência?

05/10/2016

Uso de métricas complementares às tradicionais, como indicadores de comportamento on line, é tema de editorial da REVTES

Por Portal de Periódicos Fiocruz

Símbolo: empresa Altmetric é uma das
principais provedoras deste indicador


Quanto valem curtidas, comentários, compartilhamentos e hashtags sobre pesquisas científicas, acadêmicas, seus autores e instituições nas redes sociais? Estes seriam parâmetros de avaliação tão importantes quanto a citação de um artigo? “(...) numa sociedade cheia de fontes de dados e com pressa em dar respostas, as áreas de gestão e financiamento de pesquisa cada vez mais saem em busca de números que possam qualificar um pesquisador, uma pesquisa ou uma revista científica”, escreve Fabio Gouveia, professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IBICT/UFRJ) e do Museu da Vida (Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz). É dele o editorial "A altmetria e a interface entre a ciência e a sociedade", publicado na mais recente edição da revista Trabalho, Educação e Saúde (vol. 14, n. 3, set-dez/2016).

A altmetria se baseia no uso de qualquer indicador de comportamento on line que atue sobre os resultados do ciclo de vida de uma pesquisa, expressado por cientistas, jornalistas, público e outras fontes. Segundo Gouveia, esta é uma das formas mais recentes de medir a ciência, e se apresenta como um complemento às métricas tradicionais, como o fator de impacto. Ele lembra que a empresa Altmetric – uma das principais provedoras deste tipo de indicador – considera que “a altmetria falaria sobre atenção e não sobre qualidade, que pode ser positiva ou negativa, e não é à toa que ela mudou recentemente o nome de seu indicador de Altmetric Score para Altmetric Attention Score”.

Para o editorialista, a altmetria teria a singularidade de dar voz à sociedade quanto aos resultados que a ciência produz. “Assim, da mesma forma que muitas citações, muitos tweets poderiam indicar um diálogo ou interesse numa obra, mas não atestariam a qualidade do que está sendo dito. No entanto, um olhar sobre os comentários seria uma oportunidade de se detectar precocemente o interesse ou polêmica pelos resultados apresentados. Esta prática seria estratégica para ações de comunicação do pesquisador ou instituição no debate que venha a se seguir com a imprensa e a sociedade como um todo”.

Acesse e leia o editorial na íntegra, aqui, no Portal de Periódicos Fiocruz.


Sobre a REVTES

É um periódico científico editado pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz). A revista debate, analisa e investiga questões ligadas à educação como área do conhecimento em saúde. Publicada a cada quatro meses, tem como temas centrais a formação e a qualificação profissional e o processo de trabalho na saúde, sendo voltada a pesquisadores, alunos de graduação e pós-graduação, profissionais vinculados aos serviços de saúde, além de docentes e gestores da educação profissional neste setor. Os artigos e ensaios da revista são avaliados com base no sistema de revisão por pares.

 

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.