Brasil
Acesso à Informação

Projeto da Fiocruz gera mais de 120 genomas completos de arboviroses

13/06/2019

Um feito inédito na ciência mundial. Em apenas 15 dias, um projeto itinerante de sequenciamento genético liderado pela Fundação Oswaldo Cruz gerou 126 genomas completos de vírus responsáveis por grandes surtos no país, sendo 69 de dengue, 34 de chikungunya e 23 de Zika. As amostras são provenientes de pacientes infectados na região Centro-Oeste do país. A equipe também coletou mais de 2.700 mosquitos de 19 espécies, em sua maioria, Aedes aegyptiAedes albopictus e Culex quinquefasciatus. Confira, acima, vídeo sobre o projeto.

Os insetos estão sendo analisados. Os especialistas integram o projeto ZIBRA 2: mapeamento genético do Zika e outros arbovírus no Brasil, que conta com o financiamento do Departamento de Ciência e Tecnologia (Decit) e da Secretaria de Vigilância e Saúde (SVS), do Ministério da Saúde, da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Os dados foram divulgados recentemente em reunião no escritório da Opas, em Brasília.

Com a decodificação dos genomas será possível responder perguntas relevantes para o Sistema Único de Saúde, como a origem dos vírus, data provável de entrada em território nacional, rota e velocidade de expansão, além de calcular a possibilidade de novos surtos. O processo também possibilita a reconstrução de árvores filogenéticas – tipo de análise que agrupa no mesmo ramo os vírus que compartilham um ancestral comum, contribuindo para explicar suas trajetórias e evolução. Leia mais.


Um, dois, três - gravando: artigo enfoca campanhas audiovisuais sobre arboviroses

Compreender a utilização de campanhas de prevenção de arboviroses na perspectiva da comunicação pública, de risco e em saúde. Este é o objetivo do artigo Um, dois, três – gravando: as campanhas audiovisuais do Ministério da Saúde sobre dengue, chikungunya e Zika de 2014 a 2017.

As autoras examinam 30 filmes disponíveis no Youtube, a fim de descrever a estratégia adotada pelo órgão na veiculação do material. Elas analisam os objetivos, a estética, o conteúdo e a interatividade com os usuários da plataforma, a partir de visualizações, comentários e curtidas.

O estudo foi publicado na Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde (vol. 13, n. 1, março/2019). Acesse e saiba mais!

Autoria: 
Texto: Vinícius Ferreira (IOC/Fiocruz) e Reciis
Vídeo: Canal IOC
Colaborador(es): 
Serviço de jornalismo e comunicação: Raquel Aguiar
Roteiro: Marina Saraiva e Vinicius Ferreira
Imagens e edição: Josué Damacena
Apoio de produção: Kátia Correa Lima
Agradecimentos: Coordenação de Vigilância em Saúde e Laboratórios de Referência da Fiocruz

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.