Brasil
Acesso à Informação

Os motores da disseminação do vírus Zika no mundo

19/10/2016

Em mapa global sobre o potencial de propagação da doença, cientistas identificam os fatores mais importantes para a transmissão em cada área

Por Maíra Menezes (IOC/Fiocruz) | Arte: Jefferson Mendes*

* Por: Abdallah M. Samy, Stephanie M. Thomas, Ahmed Abd El Wahed, Kevin P. Cohoon, A. Townsend Peterson. 'Mapping the global geographic potential of Zika virus spread’

 

Um estudo publicado na revista científica Memórias do Instituto Oswaldo Cruz mapeia o potencial de disseminação global do vírus Zika e aponta os fatores que mais impactam no risco de transmissão com precisão para áreas de 25 km². O trabalho mostra que diversos países reúnem as principais condições para propagação da doença. Na Ásia - além de Cingapura, onde um surto de Zika já alcança cerca de 400 casos -, territórios com grande população, como Tailândia, o sul da China, Índia e Bangladesh, estão em risco. Além de indicar o potencial para a propagação do Zika nessas áreas, o mapa identifica os principais motores da transmissão em todo o mundo. O líder da pesquisa é Abdallah Samy, pesquisador da Faculdade de Ciências da Universidade Ain Shams (Egito) e doutor pelo Instituto de Biodiversidade da Universidade do Kansas (EUA). “Uma vez que o vírus se estabeleceu em Cingapura e todos os elementos que favorecem a transmissão estão lá, podemos esperar que a doença se espalhe muito rapidamente para vários países vizinhos, a menos que as autoridades de saúde locais e internacionais apliquem programas de controle efetivos”, afirma. 

O mapa levou em conta os principais fatores capazes de afetar a transmissão da doença, incluindo a presença de vetores, clima e características ambientais, e também aspectos socioeconômicos e de mobilidade. Observando as regiões onde o vírus se espalhou inicialmente nas Américas e dados como densidade populacional, temperatura diurna e noturna, cobertura do terreno e acessibilidade por meios de transporte, os pesquisadores construíram um modelo matemático que permite prever as áreas com maior risco de transmissão e os fatores responsáveis por isso. O trabalho contou com colaboração de pesquisadores das Universidades de Bayreuth e de Georg-August (Alemanha) e da Clínica Mayo (EUA).

Considerando as regiões onde a doença ainda não se espalhou, a pesquisa destaca que partes da Austrália, Melanésia e Nova Zelândia reúnem todos os principais fatores para disseminação do agravo. Já nos Estados Unidos, três regiões concentram as características necessárias para a transmissão sustentada: além da Flórida, onde casos locais são registrados desde o final de julho, os pesquisadores apontam que Texas e Louisiana estão em risco. E, ainda, em outros estados, pequenas áreas apresentam risco, principalmente por causa das condições socioeconômicas e pelo trânsito de viajantes. Segundo o pesquisador Townsend Peterson, do Instituto de Biodiversidade da Universidade do Kansas (EUA), também autor do trabalho, os surtos de Zika tendem a ser menos explosivos nos Estados Unidos do que em outras regiões das Américas. "Há melhores programas de controle de mosquitos no país e muitas casas nas áreas de maior risco possuem janelas com tela e ar-condicionado”, avalia. Ele enfatiza que ações educativas e de controle do vetor, assim como o monitoramento dos casos importados, são fundamentais para reduzir o risco nas áreas mais vulneráveis.
 

África: com histórico de exposição ao vírus, imunidade pode ser componente importante

O mapa aponta ainda uma ampla região com alto potencial de propagação da doença na África subsaariana. No entanto, os pesquisadores destacam que o continente africano representa um cenário diferenciado no contexto global, tornando as previsões mais difíceis. Descoberto na floresta de Zika, em Uganda, em 1947, o vírus Zika possui duas linhagens: uma chamada de africana, que circula no continente desde então, e outra conhecida como asiática, que está por trás dos atuais surtos nas Américas e na Ásia. “A África tem uma história prévia de exposição ao Zika, e a imunidade da população pode ser um componente importante para determinar até que ponto o vírus pode se espalhar pelo continente. Essas questões devem ser integradas no futuro em modelos de previsão ainda mais complexos para uma melhor compreensão sobre o comportamento do surto nessa região”, explica o líder da pesquisa. 

A pesquisa mostra também que, na Europa, apesar da alta conectividade com regiões com transmissão de Zika, o que facilita a chegada de viajantes infectados, há poucos locais com condições ambientais favoráveis para a disseminação da doença considerando a presença de insetos vetores e aspectos climáticos. Os autores do trabalho ressaltam que os dados podem ajudar as autoridades a enfrentar o vírus. “Os resultados permitem identificar as áreas prioritárias para a vigilância dos vetores e do vírus e os locais onde o risco pode estar relacionado a outros fatores, especialmente considerando que o Zika pode ser transmitido por outras vias, como a sexual”, afirma Samy.

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.