Brasil
Acesso à Informação

O futuro das revisões sistemáticas

14/10/2016

Editorial dos Cadernos de Saúde Pública trata das novas recomendações, que têm o objetivo de tornar este processo mais transparente

Por Ensp/Fiocruz

O editorial dos Cadernos de Saúde Pública (vol. 32, n. 9, set/2016) trata das novas novas recomendações para revisões sistemáticas para publicação. A revista tem buscado adequar as revisões aos avanços nesse campo do conhecimento, exercendo seu papel indutor en ciência e pesquisa.

Inicialmente, toda revisão sistemática deverá ter tido seu protocolo publicado ou registrado em uma base de registro de revisões sistemáticas, além de ser submetida em inglês. O objetivo é otimizar o processo de avaliação por pares, já que será possível convidar alguns dos autores dos artigos originais incluídos no manuscrito para emissão de pareceres, com exceção das relacionadas a temas exclusivamente brasileiros ou latino-americanos (por exemplo, prevalência de determinada condição na América Latina), que serão também aceitos manuscritos em português ou espanhol.

De acordo com o editorial, o registro prospectivo dos protocolos das revisões sistemáticas é importante porque aumenta a transparência do processo de revisão, protege contra a possibilidade de publicação seletiva de resultados e permite melhor escrutínio por parte dos revisores acerca do que havia sido planejado - e do que foi, de fato, executado pelos autores. Segundo o editorialista Edison Iglesias de Oliveira Vidal, o objetivo é contribuir tanto para a qualidade da avaliação como para maior disponibilidade de avaliadores. 

A revista CSP quer fomentar, entre outras mudanças, a submissão de revisões sistemáticas sobre intervenções em Saúde Coletiva com foco populacional, e sobre questões que possam informar políticas públicas relacionadas à saúde. O editorial destaca, no entanto, que se trata de um processo de desenvolvimento e que há espaço para o amadurecimento de abordagens metodológicas envolvendo tais revisões.

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.