Brasil
Acesso à Informação

Não ao estigma de travestis e transexuais

12/06/2018

No mês do Orgulho LGBT(QIAPN+), artigo dos Cadernos de Saúde Pública debate estigma entre travestis e mulheres transexuais no Brasil

Por Valentina Leite (Portal de Periódicos Fiocruz) | Foto: Ana Cruz (Unsplash)

 

Dia dos namorados (12/6) também é dia de recordar os desafios enfrentados por pessoas de orientações sexuais e identidades de gênero diversas. Antecipando o debate para o mês do Orgulho LGBT(QIAPN+), os Cadernos de Saúde Pública publicaram, na edição de maio, o artigo Estigma e resistência entre travestis e mulheres transexuais em Salvador, Bahia, Brasil.

Assinado por pesquisadores da Universidade do Estado da Bahia e da Universidade Federal da Bahia, o estudo tem como base narrativas produzidas por travestis e mulheres transexuais que vivem em Salvador (BA). O objetivo do trabalho foi compreender suas experiências de estigmatização, descrevendo acontecimentos, atores e contextos que marcaram suas trajetórias de vida.

No total, foram realizadas 19 entrevistas. De acordo com a pesquisa, as pessoas trans, ao transgredirem à matriz heterossexual compulsória - pautada pela coerência entre sexo, gênero e desejo - são consideradas “seres abjetos”. Consequentemente, elas sofrem em sociedades heteronormativas, que são aquelas que normatizam a heterossexualidade como um dispositivo natural e compulsório.

Essa tentativa de controle normativo, então, traz grandes prejuízos desde o nível estrutural até as interações sociais cotidianas dessas pessoas. Nas relações sociais, isso é identificado em situações de discriminação, violência e exclusão. Esses efeitos são refletidos, inclusive, nos serviços de saúde.

O SUS e a transexualidade

Atendendo ao movimento LGBT(QIAPN+), o Sistema Único de Saúde (SUS) incluiu, em 2011, a Política Nacional de Saúde LGBT. A iniciativa garante o direito à saúde, sem distinção, para lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais.

Porém, reconhecendo as necessidades de atendimento especializado para pessoas transexuais, foi instituído o Processo Transexualizador no SUS, em 2013, para “atender as pessoas que sofrem com a incompatibilidade de gênero, quando não há reconhecimento do próprio corpo em relação à identidade de gênero (masculino ou feminino)”, de acordo com o Ministério da Saúde.

No artigo da revista CSP, os autores lembram que a identidade transexual como uma “categoria psiquiátrica” foi utilizada, inicialmente, para viabilizar (e restringir) o processo de modificação corporal no SUS. Hoje, felizmente já há avanços neste cenário no Brasil – no entanto, ainda há percalços: batalhas contra a discriminação a serem travadas e perdas de direitos a serem combatidas. Vamos juntos!

 

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.