Brasil
Acesso à Informação

Fiocruz cria Fórum de Comunicação Social de Ciência

17/05/2018

Iniciativa quer fortalecer a troca de experiências entre profissionais da área dentro da instituição

Por Flávia Lobato (Portal de Periódicos Fiocruz)

 

Um espaço comum para a troca de experiências entre os diversos atores da Fiocruz que promovem a comunicação científica: no dia 10 de maio, às 9h, aconteceu a primeira reunião do Fórum de Comunicação Social de Ciência. A iniciativa é liderada pela Vice-presidência de Educação, Informação e Comunicação (VPEIC/Fiocruz) e visa fortalecer o contato entre os profissionais da instituição que atuam nesta área.

A presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, participou da primeira parte da reunião. O Fórum reuniu representantes de diferentes áreas da VPEIC e da Coordenação de Comunicação Social (CCS/Fiocruz), do Museu da Vida (Casa de Oswaldo Cruz), do Programa de Vocação Científica – Provoc (Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio), do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnologia em Saúde, e do Instituto Oswaldo Cruz. Também participaram via webconferência profissionais da Fiocruz Amazônia e do escritório regional da Fiocruz Mato Grosso do Sul.

Ao abrir o encontro, no Centro de Estudos Estratégicos (CEE/Fiocruz), o vice-presidente Manoel Barral explicou que o objetivo deste Fórum é promover a troca de experiências e estimular a realização de atividades conjuntas entre agentes da instituição neste campo. “É importante lembrar que essa nova instância não se sobrepõe à Câmara Técnica de Informação e Comunicação, mas que buscaremos trabalhar de forma articulada para melhorar as práticas neste campo tão importante para a Fundação”.

A presidente da Fiocruz, por sua vez, comentou que a criação do Fórum mostra o amadurecimento institucional na construção de agendas comuns e na reflexão sobre as pautas prioritárias e estratégicas para a comunicação social da ciência. “Confiança é a palavra, como afirmação do que pode dar certo, num momento de crise. É muito importante afirmar o papel político da Fiocruz e seu lugar de referência nacional e na cooperação internacional”, disse. Neste sentido, ela deu exemplos da atuação institucional em questões com impacto para a sociedade, como a pesquisa Nascer nas prisões (que ajudou a embasar decisão do Supremo Tribunal de conceder habeas corpus coletivo para mães e gestantes que se encontram em prisão preventiva) e o posicionamento contrário ao projeto que flexibiliza regulação de agrotóxicos.

Para Nísia, a composição heterogênea do Fórum denota que se trata de um espaço que compreende a diversidade e cujo potencial está, justamente, nas interfaces. “Esse não deve ser um lugar para a discussão de especialistas. As propostas e ações que surgirem aqui devem convergir para fortalecer a comunicação pública da ciência. Nosso desafio é ampliar a perspectiva dialógica”, afirmou.

Fórum em ação

Os membros do Fórum conversaram sobre iniciativas comuns e sua sistematização, visando maior integração entre as diversas instâncias institucionais, com o objetivo de legitimá-las, aumentar a sinergia e evitar a dispersão de esforços. Trataram também sobre a necessidade de formalização institucional num documento que esteja de acordo com a Política de Comunicação da Fiocruz.

O vice-presidente de Educação, Informação e Comunicação, Manoel Barral, reforçou a importância da integração da Fiocruz, mencionando a articulação dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs). Além disso, propôs que as primeiras ações conjuntas do Fórum sejam realizadas em torno da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2018, cujo tema deste ano é “Ciência para a redução das desigualdades”.

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.