Brasil
Acesso à Informação

Doença de Chagas: Editora Fiocruz lembra o marco da ciência brasileira em diversos títulos

03/05/2019

Celebrando 110 anos da descoberta da doença pelo pesquisador Carlos Chagas, Editora oferece descontos em livros relacionados ao tema

Por Editora Fiocruz


Em um dos momentos mais importantes de sua história, a ciência brasileira recebia, há 110 anos, a informação oficial da descoberta de uma nova enfermidade: a doença de Chagas. Em 22 de abril de 1909, Oswaldo Cruz anunciava à Academia Nacional de Medicina que um então jovem pesquisador assistente do Instituto que levava seu nome, o médico Carlos Chagas, havia descoberto o protozoário Trypanosoma cruzi no sangue de uma menina, na área rural de Lassance, em Minas Gerais.  

Atenta à importância de celebrar esse marco da pesquisa em saúde no Brasil, a Editora Fiocruz favorecerá o acesso a livros relacionados à doença e a Carlos Chagas, além de outros títulos selecionados de seu catálogo. Para comemorar os 110 anos da descoberta, a Editora está oferecendo descontos de 25%, até o dia 10 de maio, nos livros relacionados à doença e ao cientista Carlos Chagas, além de demais títulos selecionados de seu catálogo.
 

CONHEÇA OS TÍTULOS

Atlas dos Vetores da Doença de Chagas (volumes I, II e III)
Organizadores
: Rodolfo U. Carcavallo, Itamar Galíndez Girón, José Jurberg, Herman Lent
Lançamento: 1998/1999

Volume 1 - 392 páginas
Volume 2 - 340 páginas
Volume 3 - 396 páginas

Lançados há duas décadas, quando a descoberta do agravo completava 90 anos, os três volumes do Atlas dos Vetores da Doença de Chagas apresentam, em edições bilíngues (português e inglês), um rico panorama da doença, abordando importantes avanços no conhecimento sobre os triatomíneos, insetos que atuam como vetores na transmissão da doença. Os livros contam com capítulos escritos por especialistas e cientistas de países como Brasil, Argentina, Venezuela, Costa Rica, Uruguai, Cuba, Jamaica e México, além de figuras, tabelas e extensa bibliografia para consulta. 

Doença de Chagas: manual de experimentação animal
Organizadoras
: Tania C. Araújo-Jorge, Solange Lisboa de Castro
Ano de lançamento: 2000
368 páginas

Também como parte das comemorações dos 90 anos da descoberta da doença, a Editora lançou, em 2000, Doença de Chagas: manual de experimentação animal, organizado por Tania C. Araújo-Jorge e Solange Lisboa de Castro. A obra apresenta, em forma de manual, uma visão global de questões ligadas ao protozoário, que ainda desafia cientistas em todo o mundo sobre a melhor forma de diagnóstico, tratamento e prevenção. 

Clássicos em Doenças de Chagas: história e perspectivas no centenário da descoberta
Organizadores
: José da Rocha Carvalheiro, Nara Azevedo, Tania C. de Araújo-Jorge, Joseli Lannes-Vieira, Maria de Nazaré Correia Soeiro, Lisabel Klein
Ano de lançamento: 2009
556 páginas

No centenário da descoberta, em 2009, três títulos da Editora marcaram as comemorações. Clássicos em Doença de Chagas: histórias e perspectivas no centenário da descoberta, organizado por profissionais vinculados à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), reuniu especialistas de várias instituições e campos do conhecimento para comentar a importância de artigos associados à descoberta científica da enfermidade, indicando diretrizes, desafios e perspectivas que ainda cercam a moléstia.

Doença de Chagas, Doença do Brasil: ciência, saúde e nação, 1909-1962
Autora
: Simone Petraglia Kropf
Ano de lançamento: 2009
600 páginas

Simone Petraglia Kropf, historiadora e pesquisadora da Casa de Oswaldo Cruz (COC), analisa a transformação da doença e reconstrói a trajetória de Chagas e seus estudos sobre a enfermidade. Ao conjugar os processos históricos ligados à medicina, à ciência e à saúde pública no Brasil, a autora mostra como a própria caracterização da doença de Chagas foi, ao longo dos anos, associada à imagem do país. 

Carlos Chagas: um cientista do Brasil
Autoras: Simone Petraglia Kropf e Aline Lopes de Lacerda
Ano de lançamento: 2009
308 páginas
 
Em conjunto com a também historiadora Aline Lopes de Lacerda, Simone Petraglia Kropf foi responsável ainda por Carlos Chagas: um cientista do Brasil, livro finalista do Prêmio Jabuti 2010 na categoria biografia. Repleto de imagens e documentos sobre a vida e a obra do médico e sanitarista, o livro contempla capítulos sobre a infância de Chagas, sua formação médica e sua atuação como pesquisador, professor, diretor do Instituto Oswaldo Cruz e gestor na área de saúde pública federal.

A obra reflete ainda sobre os muitos títulos e premiações do cientista e sua importância para a continuidade das pesquisas sobre doenças associadas à pobreza em países tidos como periféricos. "O maior legado de Carlos Chagas é a visão de que a ciência deve atender às demandas da sociedade (no caso, a saúde pública) e que cabe ao Estado brasileiro garanti-la e promovê-la", defende Kropf.  

Ainda segundo a pesquisadora, as comemorações em torno dos 110 anos do anúncio da descoberta refletem a excelência acadêmica e o compromisso social que marcam a trajetória da Fiocruz. “Trata-se da oportunidade de refletir sobre a ciência e a saúde brasileiras tanto em seu passado quanto em seu presente e seu futuro. A descoberta da doença de Chagas, marco da ciência de Manguinhos, é o emblema de uma ciência que produz conhecimentos inovadores e, ao mesmo tempo, está compromissada com a saúde da população brasileira”, avalia. 

Doença de Chagas no Brasil e no mundo

Classificada como uma das principais doenças negligenciadas (tidas como endêmicas em populações em situação de baixa renda), a doença de Chagas continua sendo uma enfermidade crítica em diversas áreas do Brasil e do mundo, sobretudo pelo problema da subnotificação. Apesar dos muitos avanços no diagnóstico e no tratamento, a doença continua a apresentar altos números. Dados da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS), indicam que, em todos os países das Américas, mais de seis milhões de pessoas vivem com Chagas, sendo que a maioria não sabe que está infectada, o que pode dificultar políticas públicas para o pleno combate à doença e à proliferação do transmissor. 
 
Assim como dengue, bouba, tripanossomíase humana africana (conhecida como doença do sono), leishmaniose, hanseníase, malária, raiva, esquistossomose, entre outras, a enfermidade descoberta por Chagas é identificada também como uma doença tropical e continua a apresentar altos números e ocorrências. Somente no Brasil, estima-se que mais de um milhão de pessoas estejam infectadas, sendo que a notificação compulsória da doença se restringe, na quase totalidade do país, somente à forma aguda (menos grave e primordialmente assintomática). Já a fase crônica, que tem maior letalidade e sintomas mais severos nas formas cardíaca ou digestiva, não é de notificação obrigatória. Leia mais.

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.