Brasil
Acesso à Informação

Crianças expostas ao zika podem apresentar atrasos neurológicos no segundo ano de vida

23/07/2019
Pesquisa da Fiocruz foi publicada na revista Nature Medicine. Acesse também outros conteúdos relacionados ao tema aqui no Portal
Por Matheus Cruz (Agência Fiocruz de Notícias)


Pesquisa da Fiocruz revela que crianças expostas ao vírus zika podem ter atrasos no desenvolvimento e alterações neurossensoriais no segundo ano de vida. O estudo, que avaliou 216 crianças durante dois anos, constatou também que o desenvolvimento neurológico é menor do que o normal em crianças expostas ao vírus nas primeiras semanas da gestação, enquanto as crianças que tiveram exposição nas últimas semanas, apresentaram menos complicações. O estudo foi publicado pelo periódico internacional Nature Medicine.

Entre as crianças acompanhadas pelos pesquisadores, haviam oito casos de microcefalia. Destes, dois voltaram a ter um crescimento adequado do perímetro cefálico: um bebê, que no período intrauterino apresentava restrição, teve o seu crescimento restabelecido e o outro foi submetido a uma cirurgia craniana, que abriu as suturas que se encontravam fechadas prematuramente em uma patologia conhecida como craniosinostose. Estas duas crianças não apresentaram problemas neurológicos, motores, na retina ou de linguagem após manuseio adequado de suas situações clinicas, nutrição e estimulação adequada. Em nenhuma destas duas crianças havia comprometimento do parênquima cerebral. 

Outros resultados mostram efeitos negativos no desenvolvimento neurológico, que foram identificados em 31.5% (68) das crianças avaliadas, entre 7 a 32 meses de idade. Pesquisadores também descobriram a possibilidade de crianças que tiveram efeitos negativos da exposição ao zika nos primeiros meses de vida não apresentarem alterações depois de um tempo (exceto pela microcefalia com alterações de parênquima cerebral): de 49 crianças que apresentavam anormalidades logo após o nascimento, 24 (49%) tiveram avaliações normais no segundo e terceiro anos de vida. Por isso, é muito importante a identificação precoce de atrasos de desenvolvimento e o encaminhamento para estimulação essencial. 

Coordenada por pesquisadores do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz) e do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz), a pesquisa Delayed chilhood neurodevelopment and neurosensory alterations in the second year of life in a prospective cohort of ZIKV-exposed children também notificou complicações em exames oculares em 9 de 137 crianças que passaram pelo teste, além de dificuldades auditivas em 13 das 114 crianças. Problemas no desenvolvimento neurológico foram identificados em pelo menos uma das características avaliadas: visão ou audição. Nesses itens, 68 de 216 crianças apresentaram resultados abaixo do normal. Leia mais.


Acesse conteúdos sobre Zika

Atento a resultados científicos relevantes na área de epidemiologia e saúde pública, o Portal de Periódicos Fiocruz acompanha e divulga diversos conteúdos sobre o Zika vírus. Para ampliar a leitura sobre o tema, acesse uma seleção de artigos, que contém estudos de diferentes periódicos científicos editados pela Fiocruz.

Conheça, também, o sistema de Fast Track das Memórias do Instituto Oswaldo Cruz. Com o objetivo de capturar resultados de pesquisa de maneira acelerada - principalmente em situações de emergência na saúde -, a revista adotou o sistema em 2016, para manuscritos sobre zika.


Leia outras notícias e artigos publicados no Portal

• Fiocruz Pernambuco desenvolve teste de R$1 para diagnóstico de zika
• Anticorpos contra a dengue reduzem chance de contrair zika​
• Exames de imagem detectam microcefalia ligada ao Zika
• Nova sequela é relacionada à Síndrome da Zika Congênita
• Estudo descobre a rota da chegada do vírus Zika ao Brasil
• Pesquisa mostra como a zika afeta a vida das mulheres​