Brasil
Acesso à Informação

Aleitamento materno protege contra transtornos mentais

31/07/2019

Artigo da revista Cadernos de Saúde Pública mostra que há relação entre os nutrientes do leite materno e o desenvolvimento cerebral em adolescentes

Por Portal de Periódicos Fiocruz*

 

Amamentação é a base da vida - e todo mundo deve abraçar esta causa. De 1/8 a 7/8, acontece a Semana Mundial do Aleitamento Materno (SMAM). A campanha é promovida, anualmente, pela Aliança Mundial para Ação em Aleitamento Materno (Waba, na sigla em inglês), a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) em mais de 170 países.

No Brasil, o Ministério da Saúde adota, este ano, o slogan Empoderar mães e pais, favorecer a amamentação: hoje e para o futuro! (leia o artigo da revista CSP e saiba mais sobre os efeitos prolongados do leite materno no desenvolvimento cerebral de adolescentes). A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) participa através das iniciativas do Centro de Referência Nacional de Bancos de Leite Humano (BLH) e do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz). O objetivo é conscientizar pais e familiares sobre seu papel no apoio à prática do aleitamento materno, criando um ambiente que permita a mãe manter a amamentação como fonte exclusiva de nutrição nos primeiros seis meses de vida e como fonte complementar até os dois anos de idade.


Leite materno tem efeito protetor prolongado, segundo estudo

E por falar em futuro: é fato que os benefícios da amamentação se estendem ao longo da vida? É o que evidencia uma pesquisa com base no Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes (Erica). Foram avaliados adolescentes que tiveram o questionário referente ao aleitamento materno respondido pelos pais ou responsáveis. O trabalho foi desenvolvido pelos autores Caroline Rodrigues de Almeida, Evandro Silva Freire Coutinho, Daniela Alves Silva, Elizabete Regina Araújo de Oliveira, Katia Vergetti Bloch e Maria Carmen Viana. Os resultados são apresentados no artigo Exposição ao aleitamento materno e transtornos mentais comuns na adolescência, publicado pelos Cadernos de Saúde Pública (vol. 35, n. 5, maio/2019).

Após avaliar o efeito da exposição e do tempo de exposição à amamentação na ocorrência de transtornos mentais comuns (TMC) entre adolescentes escolares brasileiro, os pesquisadores concluíram que “o efeito protetor do aleitamento materno prolongado para a saúde mental de adolescentes enfatiza a importância do cuidado e da formação de vínculos afetivos no início da vida”.


Pesquisa avaliou mais de 40 mil adolescentes entre 12 e 15 anos

Dentre os 41.723 adolescentes avaliados pela pesquisa, a maioria foi composta de estudantes do sexo feminino (54,6%), que tinham idade entre 12 e 15 anos (71%), estudavam em escolas públicas (83,1%), residiam na Região Sudeste (51,9%) e eram das classes econômicas B (53,8%) e C (34,1%). Cerca de metade das mães dos adolescentes não tinha o ensino médio completo (51,7%). O grupo de adolescentes com mais de seis meses de aleitamento materno (51,8%) apresentou menor prevalência de TMC, quando comparado com o grupo que não recebeu aleitamento materno ou o recebeu por período ≤ um mês. “O aleitamento materno prolongado parece desempenhar papel protetor no que diz respeito à ocorrência de TMC na adolescência.”

De acordo com o artigo, uma via possível de explicação de associação entre aleitamento materno e saúde mental poderia ser a composição do leite materno, rico em ácidos graxos essenciais, que são elementos fundamentais para o desenvolvimento cerebral. “A exposição a esses nutrientes parece estar relacionada a maiores níveis de habilidades cognitivas, medidas por testes que avaliam o quociente de inteligência (QI) em crianças, tendo sido encontrada uma associação entre baixo QI e depressão.”

Outra questão de destaque apontada pelos autores é o ambiente doméstico e/ou o cuidado materno na infância, direcionando suas explicações à afetividade proporcionada pela interação mãe/filho durante a amamentação, momento no qual a criança experimenta sensações semelhantes às vividas no período intrauterino, acalmando e fortalecendo os laços mãe/filho.

Em todo o mundo, informa o artigo, entre 10% e 20% das crianças e adolescentes sofrem de transtornos mentais, frequentemente com sintomas persistentes e curso crônico, podendo levar ao comprometimento do bem-estar geral, do desenvolvimento físico e psicológico, e da capacidade intelectiva. “Isso impacta o seu desempenho no âmbito pessoal, social, ocupacional e familiar na vida adulta.” Segundo o artigo, as estimativas de prevalência de transtornos mentais em crianças e adolescentes variam em função do sexo, idade, tipo de transtorno avaliado e da população estudada, além de depender dos instrumentos de avaliação utilizados. 

“Sabe-se que características familiares, sociais, econômicas e psicológicas, assim como a exposição a experiências adversas na infância, são fatores que influenciam o desenvolvimento de problemas de comportamento e de transtornos mentais durante a adolescência”, observam os autores do trabalho. Segundo eles, o papel protetor da amamentação na redução de estresse psicológico, sintomas de depressão/ansiedade, transtorno do déficit de atenção e depressão maior em crianças e adolescentes é identificado por diversos autores. 

O artigo indica a necessidade de fortalecer a implantação e manutenção de políticas públicas que valorizem e estimulem o aleitamento materno prolongado. Além disso, sendo elevada a prevalência de TMC entre adolescentes e considerando sua persistência e potencial de gerar incapacitação, é premente: promover medidas e programas de promoção de saúde mental na população em geral, organizar sistemas de vigilância para a identificar casos precocemente, assim como dar seguimento aos mesmos, e, ainda, ampliar a rede de serviços de saúde mental para assistir a essa população nas diversas regiões do Brasil.


Alimentando com informações seguras: saiba mais na página especial do Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde tem uma página na internet especialmente dedicada à Semana Mundial da Amamentação. O conteúdo traz dicas para amamentação, informações sobre redes de apoio, como incentivo dos empregadores ao aleitamento materno, o filme da campanha, além de materiais disponíveis para download. Abrace esta causa, participe: alimente uma rede de informações seguras!
 


*Com informações de Mayra Malavé Malavé (IFF/Fiocruz) e do Informe Ensp 
Foto principal: Peter Iliciev (CCS/Fiocruz) / Foto 2: Campanha do Ministério da Saúde

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.