Brasil
Acesso à Informação

Agrobiodiversidade para o desenvolvimento sustentável

16/04/2018

Nova edição da Revista Fitos inclui estudo que avalia a qualidade de sabonetes líquidos produzidos por agricultores familiares a partir de plantas medicinais

Por Valentina Leite (Portal de Periódicos Fiocruz) | Foto: Wikimedia Commons

E se a resposta estiver no campo? Os produtos criados em comunidades rurais, caiçaras, quilombos e aldeias indígenas têm tudo a ver com desenvolvimento socioambiental sustentável. O novo número de 2018 da Revista Fitos traz artigo que aborda o valor e a complexidade dos produtos vindos da agrobiodiversidade. No estudo, os autores avaliam a qualidade microbiológica dos sabonetes líquidos de plantas medicinais fabricados por agricultores familiares da Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro.

Foram analisadas 12 amostras de quatro tipos de sabonetes líquidos: dois de aroeira (Schinus terebinthifolia Raddi) e dois de pitanga (Eugenia uniflora L.), de diferentes localidades de cultivo. O objetivo foi diagnosticar as possíveis fontes de contaminação nas diversas fases de produção. Como resultado, 75% das amostras mostraram-se satisfatórias quanto à contagem de bactérias aeróbias, 100% satisfatórias para a contagem de bolores e leveduras e 83% satisfatórias para as bactérias bile tolerantes. Todos os sabonetes estavam próprios para uso.

 

As cores da agricultura

Agrobiodiversidade é a parte da biodiversidade voltada para as práticas agrícolas. Segundo o artigo da Fitos, é definida como o conjunto de espécies da biodiversidade que será utilizado na agricultura de forma domesticada, visando resultados específicos. O foco principal é conservar as espécies que oferecem maior potencial de uso sustentável. Durante a prática, o conhecimento da população local sempre deve ser levado em consideração, valorizando a produção popular.

Tanto os vegetais, grãos e outras plantas utilizados para a alimentação, quanto extratos e óleos naturais, comuns em tratamentos estéticos, são produtos da agrobiodiversidade. O uso comunitário sustentável desses recursos é uma das preocupações do Ministério do Meio Ambiente, que quer promover o resgate e a conservação de variedades crioulas, plantas medicinais e aromáticas, além de ampliar o extrativismo sustentável. Saiba mais acessando o site do MMA.

 

Leia o artigo completo: Produtos da agrobiodiversidade: uma análise da qualidade dos sabonetes líquidos de plantas medicinais produzidos por agricultores familiares da Zona Oeste do Rio de Janeiro

 

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.